7 de nov de 2009

Continuando

Alô, posto aqui mais uma poesia de autoria minha :)

Chora a moça escorada na janela
porque o mundo não se importa com ela.
Chora porque a força da indiferença
é maior que a da sua pouca cabeça.

Não quer chorar nem ser vista chorando.
Não acha possível que doa tanto
o simples fato de deixar o pranto
vazar do peito e tingir de fraqueza
seu orgulho tremendo de princesa.

Chora pra fora e deseja em seu peito
que o dia de agora chova por dentro
porque a manhã já vai vencendo a noite,
as comportas já cederam ao choro,
do seu fingimento explodiu a lágrima
e ela admite, ferida e humilhada
que, diante da dor da incorrespondência,
ela... ninguém tem forças pra aguentar
e, fatalmente, tudo o que resta é
pura, única, inexoravelmente
chorar.

Nenhum comentário: